Robôs de telepresença à serventia da infância

Veja como crianças que sofrem de doenças crônicas como câncer podem manter contato com o mundo a fora mesmo dentro de hospitais com o auxílio de robôs. Descubra como funciona esse contato no post a seguir:

Leslie Morissette, fundadora da Grahamtastic Connection,organização sem fins lucrativos dedicada a fornecer tecnologia gratuita – incluindo computadores, iPads e agora robôs – para crianças que lutam contra o câncer e outras doenças graves, começou a disponibilizar robôs para videoconferências, assim possibilitando os jovens enfermos terem um convívio social mesmo estando dentro de suas próprias casas ou hospitais.

A empresa surgiu em homenagem a Graham, filho de Leslie Morissette, que aos 6 anos foi diagnosticado com leucemia e acabou falecendo em 1997, quando ele tinha 8 anos de idade.

“Passamos dois anos praticamente dentro e fora do hospital”, afirma Morissette. “Ver a batalha de seu filho uma doença grave é a pior coisa possível uma família pode passar.”

“Ele emprestava a outras crianças doentes seus brinquedos ou fazia bobagem para fazê-los rir”, disse Morissette. “O espírito especial de Graham é o que me manteve em ação, ele me ajudou a ter a energia e a força para lutar com ele”.

Desde 1998, o grupo ajudou cerca de 1.500 crianças em todo o país a permanecerem ligadas ao mundo exterior e continuarem a sua educação.

Robôs de telepresença fazendo parte do cotidiano escolar
Robôs de telepresença fazendo parte do cotidiano escolar

E ao ser questionada sobre como essa tecnologia poderia fornecer ajuda para essas crianças,Morissette afirmou:

“Evita que as crianças se sintam isoladas. Ele os conecta com sua família, seus amigos e suas salas de aula. Realmente ajuda-os a curar emocionalmente e fisicamente ao mesmo tempo.

Quando Graham estava em casa, o computador definitivamente o ajudou a manter contato com sua escola, sua equipe médica e amigos. No entanto, isso foi quase 20 anos atrás, quando a internet estava realmente em sua infância. Crianças agora têm a capacidade de ser muito mais conectado usando novas tecnologias como FaceTime e social media.

Acho que as crianças mais gravemente doentes só querem ser crianças normais. Eles querem estar na escola e querem estar com seus colegas. Então, estamos fornecendo as ferramentas que permitem isso.”

Ferramenta do amanhã

carregar_11_4_2017_às_10_23_30
Criança participando de aula por robôs de telepresença

E uma dessas ferramentas, é a apresentação de um robô para videoconferências conectar as crianças com suas salas de aula, o que realmente as ajuda a continuar sua educação apesar das hospitalizações e dos dias perdidos da escola.

“Os robôs transportam a criança para a sala de aula em tempo real. Eles podem operar o robô de telepresença diretamente de sua cama de hospital ou casa. Assim, se uma criança é incapaz de frequentar a escola, eles podem simplesmente fazer logon no seu tablet ou laptop e chamar o robô.

Eles podem caminhar para cima e para baixo nos corredores. Eles podem ir almoçar com seus amigos. A verdadeira magia acontece entre as aulas, quando eles estão andando pelo corredor com seus amigos, pelo robô, falando sobre o fim de semana e seus alimentos favoritos e apenas todas as coisas de crianças. Ele os conecta com seus amigos, colegas de classe e professores.” afirma Morissette sobre os robôs de telepresença.

A finalidade desses robôs de telepresença na vida dessas crianças é buscar melhorar ou diminuir os prejuízos causados pelas suas enfermidades e assim tornar tanto a vida escolar, quanto o convívio social facilitado, porque essas crianças querem recuperar suas vidas novamente. E para acompanhar mais histórias de como a tecnologia pode transformar a vida de pessoas se inscreva em nosso newsletter.