Os voos espaciais comerciais já chegaram: O que a Manufatura Aditiva tem a ver com isso?

Atualizado em: 4 de janeiro de 2021 às 13:52

Em 30 de maio de 2020, o Crew Dragon da SpaceX decolou através do foguete Falcon 9 para sua segunda missão de demonstração: SpaceX Demo-2, a primeira viagem com astronautas humanos a bordo. O lançamento ocorreu conforme programado no Complexo de Lançamento 39A (LC-39A) no Kennedy Space Center da NASA na Flórida, mostrando que a era dos voos espaciais comerciais já chegou!

A manufatura aditiva está contribuindo com esse marco histórico

O projeto da cápsula Crew Dragon, foi um dos primeiros programas espaciais a divulgar o uso de manufatura aditiva para peças finais, especificamente seus motores de escape de lançamento SuperDraco.

Esses são os motores que trarão segurança à tripulação humana em caso de falha no lançamento, então vamos esperar que não tenhamos que vê-los em ação. No entanto, a tecnologia que alimenta os motores SuperDracon também pode fornecer uma base para futuras sondas SpaceX, incluindo aquelas que, esperançosamente, levarão humanos à Lua e Marte.

Protótipo do motor Super Draco impresso em 3D para testes (Fonte: 3DPrintingMedia)

Mas antes que isso aconteça, este voo de teste com os astronautas da NASA, Bob Behnken e Doug Hurley à bordo da espaçonave Dragon, atinge um grande marco ao retornar o voo espacial humano aos Estados Unidos e, pela primeira vez, em um foguete e cápsula de propriedade uma privada. Isso significa que agora qualquer um pode ir para o espaço, é apenas uma questão de conseguir os fundos.

O veículo de lançamento Falcon 9 que dará suporte ao Demo-2 está nas instalações da SpaceX na Flórida. Para marcar o retorno do voo espacial humano em foguetes americanos, a NASA re-utilizou seu logotipo para o Demo-2

O Demo-2 é o principal teste final para o sistema de voo espacial humano da SpaceX a ser certificado pela NASA, para missões operacionais da tripulação e para a Estação Espacial Internacional. O Programa de Tripulação Comercial da NASA é um ponto de virada para o futuro do EUA na exploração do espaço, que estabelece a base para futuras missões à Lua, Marte e além.

Desafio para a indústria aeronáutica espacial

Como a Space X é uma empresa privada, e porque os EUA ainda são uma nação muito libertária, a única coisa que limita mais e mais pessoas a ir para o espaço agora é a capacidade da SpaceX, de seus parceiros e de seus futuros concorrentes, de lucrar com isso.

Custo para voar ao longo dos anos e os foguetes

Isso significa que a corrida começou – agora mais do que nunca – para reduzir custos. Nenhuma tecnologia de manufatura pode prometer uma redução de peso (e, portanto, custo) tão rápida e significativa quanto a manufatura aditiva, especialmente em lotes de peças relativamente pequenos exigidos pelo segmento espacial.

Está rolando todo um movimento de empresas comerciais e startups por causa deste novo paradigma. Construindo e expandindo a economia espacial, e tornando mais simples e contínuo criar peças para o espaço.

Mais adiante na jornada, com mais pessoas viajando no Espaço, mais e mais produções acontecerão para o Espaço também. Em nenhum lugar do mundo o conceito de manufatura distribuída é mais relevante do que… fora dele!

E nenhuma tecnologia pode fornecer a fabricação de peças complexas localmente com mais eficiência do que a manufatura aditiva. Chegar à órbita, atravessar o espaço e permanecer no espaço só será possível com a implementação da MA em suas várias declinações. Esse é o foco da aeronave espacial AM Focus 2020 da 3DPBM durante todo o mês.

E se você quer receber mais notícias e informações relevantes sobre impressão 3D e tecnologia, inscreva-se na nossa newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter

Referências: 3D Printing MediaSpace X e Nasa

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados